O Miradouro do Gamardo fica em Quintela, freguesia de Ventosa. 
 
A vista sobre o vale do Vouga é deslumbrante e, por isso, aquele lugar é paragem obrigatória para quem quer descobrir os encantos e os mistérios da nossa terra.
 
O local é conhecido como Cruzeiro ou Miradouro do Gamardo, Cruzeiro da Independência ou, ainda, Cruzeiro dos Centenários.

Um pouco de História:

Quem sobe ao Gamardo (localizado no lugar de Quintela, freguesia de Ventosa), facilmente compreende o fascínio dos povos primitivos e o porquê de Vouzela se ter tornado “cabeça” do território lafonense.
A vista sobre o vale do Vouga é deslumbrante e, por isso, aquele lugar é paragem obrigatória para quem quer descobrir os encantos e os mistérios da nossa terra.
O local é conhecido como Cruzeiro ou Miradouro do Gamardo, Cruzeiro da Independência ou, ainda, Cruzeiro dos Centenários.
Assim o é porque o monumento foi mandado edificar em pleno Estado Novo, para as comemorações dos 800 anos da Fundação (1140) e os 300 anos da Restauração (1640).
Pretendia Salazar, através de uma dupla celebração, comemorar a Independência e relembrar os que perderam a vida na guerra, lutando pela pátria. As efemérides assinalavam os 300 anos sobre a independência de Espanha e do reinado filipino, bem como os 800 anos sobre a fundação e a independência do reino de Portugal face a Castela.
Para o efeito, Salazar mandou criar as “comissões das Comemorações Centenárias”, encarregadas de garantir que por todo o país, freguesia a freguesia, seriam edificados novos cruzeiros (ou que os preexistentes receberiam melhorias, pois nem todas dispunham de recursos financeiros para novas construções).
A primeira fotografia que ali foi tirada mostra-nos um lugar ermo e rochoso, onde se agigantava a nova estrutura. Nela, o cruzeiro aparece ladeado de alguns padres, com as suas longas batinas escuras, e por alguns homens que manobravam dois carros de bois que, possivelmente, coadjuvam as obras.
Salazar, ordenou que todos os Cruzeiros da Independência:
1- Tivessem localização privilegiada, impondo-se que a estrutura fosse visível e notória na paisagem;
2- Ostentassem a esfera armilar e o escudo heráldico com as cinco quinas (antigas armas de Portugal).
3- Detivesse a inscrição: “VIII CENTENÁRIO DA INDEPENDÊNCIA.
III DA RESTAURAÇÃO DE PORTUGAL 1940”
 
A inauguração do Gamardo aconteceu na data da efeméride, a 1 de dezembro de 1940 e, também por uma rara fotografia, sabemos que se tratou de um evento muito solene.
Nele, ajuntaram-se os ilustres da terra, o povo, a banda, diversos religiosos que procederam à bênção do cruzeiro e o presidente da Câmara de Vouzela, à altura Hermínio Augusto Dias.
A estrutura original é a mesma que lá se encontrara.
Trata-se de um monumento de pedra, em formato de obelisco.
É maior que muitos dos cruzeiros erigidos na década de 40 e possui 20 metros de altura.
Está assente numa base piramidal com sete degraus e o topo é ornamentado por uma cruz de granito, à volta da qual se encontra um círculo, também de pedra, fazendo lembrar a esfera armilar.
Como foi anunciado à época:
“O Cruzeiro da Independência unirá assim, neste momento histórico, todos os corações portugueses num só pensamento e numa só vibração de alma”.
 
Foto: Hermínio Dias
 
Retirado de “Vouzelar”